Início » Cientistas criam exame inédito que identifica Alzheimer em estágio inicial

Cientistas criam exame inédito que identifica Alzheimer em estágio inicial

O Alzheimer é uma doença difícil de identificar na sua fase inicial, através dos procedimentos que hoje são usados pela medicina. Porém, um grupo de cientistas do Reino Unido desenvolveu um que consegue diagnosticar, com 98% de acerto, casos de doença de Alzheimer, até mesmo aqueles em inicial, que normalmente são mais difíceis de identificar com os procedimentos atualmente usados.

De acordo com os autores do trabalho, será possível ser adaptado aos hospitais, pois o exame utiliza um equipamento de ressonância magnética que geralmente já está disponível. 

Foi desenvolvido pelos pesquisadores um sistema de aprendizado de máquina (inteligência artificial) para usar os dados obtidos na ressonância magnética tradicional e diagnosticar a doença. A precisão em diferenciar estágios iniciais e avançados foi considerada alta — 79% dos pacientes.

O algoritmo tem como base uma divisão do cérebro em 115 regiões. Foram alocadas 660 características, como tamanho, forma e textura, para diferenciar os padrões de cada área. O sistema foi, então, treinado para identificar onde as mudanças apareciam e quais delas estavam mais comumente associadas ao Alzheimer.

não tem cura

Infelizmente não existe uma cura para o Alzheimer. No entanto, o diagnóstico precoce faz uma grande diferença ao permitir que o tenha acesso a tratamentos que ajudam a retardar o avanço dos sintomas.

Atualmente para identificar a doença, é necessário realizar no consultório médico, testes e alguns exames de imagem (mas isso só acontece quando o já tem algum nível de comprometimento cognitivo).

Sintomas

Além da perda de memória, os sintomas de incluem:

Problemas para completar tarefas que antes eram fáceis.

Dificuldades para a resolução de problemas.

Leia Mais
Alzheimer: conheça sintomas e causas da doença

Mudanças no humor ou personalidade; afastamento de amigos e familiares.

Problemas com a comunicação, tanto escrita como falada.

Confusão sobre locais, pessoas e eventos.

Alterações visuais, como problemas para entender imagens.

O avanço da é o maior fator de risco para o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

A maioria das pessoas diagnosticadas com tem 65 anos de ou mais. Segundo os especialistas,  o Alzheimer prematuro pode afetar pessoas com idade inferior a 65 anos, embora não seja tão comum. Estima-se que até 5% das pessoas portadoras de Alzheimer tiveram a doença prematuramente. O Alzheimer prematuro é normalmente diagnosticado de forma errada. 

É hereditária?

De acordo com os cientistas, se na família de um cidadão houver casos da doença (pais ou irmãos desenvolverem Alzheimer), existe uma grande chance dele também desenvolver a doença.

A ciência ainda não compreende completamente o que causa o nas famílias, mas fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida podem influenciar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.